A Criação coletiva nossa de cada dia, nos dái hoje.


Processo de construção em teatro é um caminho que seu grupo trilha para a criação. Nesse caminho, é preciso primeiro tomar consciência da necessidade de "desaprender". Aqui nesse ponto pode haver quebra de paradigmas. Romper as fronteiras e quebrar os espaços, para dar lugar ao novo, ao inesperado. É importante estar aberto para novas possibilidades de fazer, de ver, é necessário redescobrir. Através de um novo olhar, fazer uma releitura, focar para que se possa reorganizar para chegar a forma.



São vários os caminhos, mas eu gostaria nesse artigo de falar de um especifico que é Criação Coletiva ou Criação Colaborativa, justamente por identificar o mais parecido com a realidade dos Grupos de teatro na Igreja. Optei por explicar por tópicos, vamos lá:



- Pode ser construído a partir de um texto pré-existente.

- Ao utilizar um texto já pronto, remodela, corta, funde cenas, dando outra configuração ao texto original.

- Ou o grupo cria a partir de um tema, idéia, história, livro, notícia, etc.

- Essa proposta de construção do espetáculo teatral ganhou destaque na década de 70 e se caracteriza pela participação livre de todos do grupo na criação do espetáculo.

- Esse processo surgiu devido a problemas práticos percebidos no processo de construção da cena.

- O processo de criação convencional encontra seu equilíbrio baseado na hierarquia das funções teatrais.

- A Criação Coletiva ou Criação Colaborativa busca horizontalidade dos criadores, não há hierarquia.

- Todos oferecem propostas cênicas, escrevem, improvisam figurinos, discutem idéias de luz e cenário, todos pensam coletivamente a construção do espetáculo dentro de um regime de liberdade integral e recíproca influência. Isso torna impreciso o limite de atuação de cada um do grupo.

- Teorias, visões estéticas, conceitos, impressões, imagens, sensações, informações, idéias, improvisações, do imaginário de todos até a experiência pessoal de cada um.

- O processo é dialógico. Tudo é apresentado e examinado. Há debates, confrontação de idéias, sugestões, críticas, múltiplas interferências até que se estabeleça um "acordo" entre os criadores.

- É um processo de criação empírico, que pode resultar na experimentação da experimentação.

- Utiliza-se pesquisa cênica profunda e reflexiva.

- O ator interfere na dramaturgia, o dramaturgo interfere na encenação, etc.

- Porém, ainda que o ator traga mudanças nos diálogos ou até mesmo escreva uma cena, é o dramaturgo que deverá fazer a organização desse material.

- lembre-se que a interferência na criação alheia é extremamente delicada.

- A crítica, deve ter olhar racional, ser objetiva, ampla, completa e profunda. Deve avaliar, discutir e oferecer soluções e caminhos, sempre.

- Sua metodologia pode não determinar prazos ou objetivos, o que atrapalha o andamento da conclusão, tome este cuidado.

- O desenvolvimento de um olhar crítico sobre o próprio trabalho é condição fundamental para o desenvolvimento do processo.

- O resultado é imprevisível, mas tem se mostrado bem eficiente artisticamente.

- O diretor/encenador não se resume a simples montador de textos.

- O diretor/dramaturgo acaba tendo o trabalho de “amarrar” as idéias para  obter o resultado final, esse procedimento em si anula a idéia de criação coletiva.

- Não esqueça que é um processo de arte coletiva feito para ser compartilhado com outro coletivo, o público.

-----
Leu? Curtiu? Comente e compartilhe!
Um abraço e até a próxima!



Luiza Regina Reis
Coordenadora de Projetos
ETAC-Escola de Teatro Arena de Cristo
luizareginareis@bol.com.br

WHATSAPP 21 98755-0316
EMAIL: arenadecristo@gmail.com
INSTAGRAM: @etac.arenadecristo
FANPAGE: www.facebook.com/arenadecristo
YOUTUBE: www.youtube.com/arenadecristo
BLOG: www.arenadecristo.blogspot.com
SITE: https://arenadecristo.wixsite.com/escoladeteatro
SLIDESHARE: https://pt.slideshare.net/arenadecristo

....

Postagens mais visitadas